No dia do revezamento da tocha em Belém surgiu nas redes sociais o print do Portal da Transparência que gerou polêmica! Trata-se do empenho feito, no valor de R$21.000,00, em favor do atleta Lyoto Machida, como auxílio para que o mesmo conduzisse a tocha no Pará.





A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer se pronunciou:


A Secretaria de Esporte e Lazer (Seel), por meio da Assessoria de Imprensa, informa que, o lutador Lyoto Machida, que participou na manhã desta quarta-feira, 15, como primeiro condutor da Tocha Olímpica em Belém, veio como convidado especial do Governo do Estado e, por conseguinte, recebeu ajuda de custo para se deslocar de Los Angeles (EUA) até a capital paraense. A secretária Renilce Nicodemos lamenta que alguns internautas estejam criticando a ação, considerada legal, tanto que está publicada no Portal da Transparência para consulta popular.
Lyoto Machida é referência internacional e considerado um dos melhores lutadores de MMA do mundo. Além disso, Machida sempre elevou o nome do Estado do Pará. A maior prova disso, foi a recepção calorosa e carinhosa com que foi recebido pelas centenas de crianças que participaram da festa realizada no Mangueirão.
A Seel também aproveita para esclarecer que os demais condutores da Tocha Olímpica foram selecionados pelos patrocinadores oficiais (Nissan - Coca-Cola e Bradesco) que fizeram promoções pela internet. Outros nomes também foram lembrados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) por ações em defesa da cidadania, artes, esporte e lazer. O Governo do Estado optou por convidar Lyoto Machida por motivos já esclarecidos acima, afinal, a Tocha Olímpica é uma festa de celebração na qual estão reunidos famosos e não famosos com o sentido de festejar a união do povo brasileiro.

Selma Amaral
Gerente de Comunicação da Seel
jornalista profissional - DRT-PA 850

Reportagem da GAZETA ON LINE sobre os gastos das prefeituras em cidades pelo Brasil e a desistência de algumas cidades mineiras.



Prefeituras detalham gastos com sinalização, montagem de palcos e pessoal durante a passagem da tocha pelo Brasil
O espírito olímpico toma conta de centenas de cidades brasileiras durante a passagem da tocha. Milhares de moradores param suas atividades para apreciar a passagem de um dos mais importantes símbolos olímpicos. Por outro lado, sediar a passagem da tocha requer uma estrutura de segurança, sinalização viária, alteração no trânsito, além de atrações culturais em alguns municípios. Diante disso, quanto custa para uma cidade seriar a passagem do fogo olímpico?
De acordo com dados apurados pelo GAZETA ONLINE, os valores variam conforme a cidade. Em Cachoeiro de Itapemirim, onde a tocha passou nesta segunda-feira (16), a prefeitura informou que desembolsou R$ 40 mil em poda de árvores, serviços de conservação, nova pintura em determinados trechos e atrações culturais.
Em Guarapari, onde a tocha passou nesta terça-feira (17) o investimento direto e indireto informado pela prefeitura é de R$ 100 mil, e engloba a instalação de palcos para atividades culturais, banheiros químicos, poda de árvores, serviço de tapa-buraco em ruas e avenidas, equipes de apoio, entre outros serviços.
As cidades também informaram que alguns custos são compartilhados com os organizadores e patrocinadores do evento.
Em Vila Velha, o custo aos cofres públicos é de R$ 13 mil para a passagem da tocha nesta terça (17). A prefeitura não detalhou os serviços que tiveram de ser feitos para abrigar o evento.
A capital Vitória informou que R$ 240 mil foram destinados pelo Ministério da Cultura para a realização dos shows na cidade. O município, por sua vez, vai arcar com um investimento entre R$ 10 mil e R$ 15 mil para serviços variados.
Outras cidades do Espírito Santo, como Colatina e São Mateus, alegam que não terão custos para sediar a passagem da tocha, já que contam com o auxílio de voluntários e não precisarão realizar adequações para abrigar o evento.
Já Linhares informou que vai desembolsar cerca de R$ 15 mil com a instalação do palco que será montado próximo ao Fórum e a sonorização, exigências do comitê olímpico.
Aracruz, por sua vez, informou que os custos serão de R$ 14.500 com instalação de palco, separador de público, impressões de folhetos, camisas da organização e voluntários, fitas zebradas e estrutura de som.
Cidades mineiras desistiram
O custo para sediar o evento olímpico fez com que algumas cidades de Minas Gerais desistissem de participar no início do mês. Ipatinga, Gouveia e Betim alegaram não ter dinheiro para bancar os gastos. A prefeitura de Betim informou que teria de desembolsar R$ 180 mil para participar do evento.
Pelo Brasil
Em Brasília, a primeira cidade a receber a tocha olímpica e onde foram realizados grandes shows, o custo para o Governo do Distrito Federal chegou a R$ 4,3 milhões, sendo R$ 3,8 milhões desembolsados pelo governo do Distrito Federal e o restante pago pelo Governo Federal. A estrutura envolveu milhares de policiais e melhorias viárias, além da estrutura para as atrações culturais na Esplanada dos Ministérios. A passagem da tocha por Brasília durou 12 horas.
Em diversas cidades consultadas, o custo informado pelas prefeituras gira em torno de R$ 20 mil.
Custo da tocha por condutor é de R$ 1985
O valor aproximado da tocha para cada condutor é de R$ 1.985. A princípio, esse custo deveria ser arcado pelos próprios condutores convidados pelos patrocinadores da passagem da tocha pelas cidades brasileiras. No entanto, após uma campanha nas redes sociais, os três principais patrocinadores (que têm direito de indicar condutores) chegaram ao consenso de que iriam "presentear" os condutores com o pagamento desse valor. Ao final do percurso, cada condutor tem a opção de comprar a tocha para levar para casa.
Ao todo, 12 mil pessoas vão conduzir a chama olímpica pelo Brasil nos próximos 95 dias, o que representa um valor total de R$ 23,8 milhões. Os patrocinadores têm direito de indicar cerca de 6 mil condutores.